NOTÍCIASSERVIÇOS
Trend

Menina fica à beira da morte após brincar com Slime e especialistas alertam: ‘pode matar’

Em reportagem no jornal Metrópoles, especialistas elencam os riscos do brinquedo Slime, incluindo o caseiro.

Uma brincadeira de criança pode virar uma grande dor de cabeça para os pais e até matar. Depois que uma criança de apenas oito anos foi intoxicada e internada na UTI um hospital de Brasília, a polêmica voltou à tona. A criança sentiu fortes dores abdominais e ainda apresentava manchas na pele. A menina ficou a beira da morte.

Segundo a Mãe da menina que se chama Laysla: “Desde quando a fabricação caseira virou febre, Laysla passou a ‘fabricar’ slime com frequência e há muito tempo vem reclamando de dores na barriga. Depois, apareceram diversas manchas na pele”, acrescentou a influenciadora.”, diz a mãe que é digital influencer. A menina passa bem.

Além do produto já pronto, virou uma febre adquirir os produtos para se fazer o brinquedo em casa. Dentre eles, o ácido bórico, é um dos componentes e, segundo especialistas, o mais tóxico deles. Foi este componente, inclusive, que teria causado as dores na menina do DF.

O jornal Metrópoles consultou dois especialistas, uma pediatra Nathália Sarkis e o gastropediatra Henrique Gomes. De antemão, os especialistas afirmam que a “massinha” pode ser, de fato, prejudicial à saúde. Em coro, recomendam a abolição dessa modinha, comum em milhares de lares.

O contato direto com as substâncias do slime pode levar uma criança a óbito?
Verdade. Alguns componentes químicos da geleca, como Bórax e água boricada, podem ser nocivos quando absorvidos pelo organismo, por via oral, respiratória ou cutânea. A criança que se expor a altas concentrações dessas substâncias pode, por exemplo, ter uma insuficiência renal grave ou broncoespasmo fatal.

A geleca tem preocupado profissionais da saúde?
Verdade. Há queixas frequentes de sintomas relacionados aos componentes químicos do slime. A mais comum delas é a de dermatite por contato, principalmente na região das mãos. Vale ressaltar, porém, que os sintomas variam de paciente para paciente. Há quem brinque todo dia e não sinta nada. Há quem brinque uma vez e desenvolva reações alérgicas.

Fabricar a “massinha” em casa é mais seguro do que comprar fórmula pronta?
Mito. Fabricar em casa pode ser ainda mais prejudicial, devido ao contato direto com as substâncias químicas.

Componentes da receita podem causar crises de asma?
Verdade. Alguns ingredientes têm evaporação rápida e, ao serem inalados, podem afetas as vias respiratórias.

Existem maneiras de brincar de forma segura?
Mito. O recomendado é que as crianças escolhem uma nova brincadeira.

TV MRNews

Tags

R. HUGO

Especializado em jornalismo colaborativo pela FTP em nível de pós-graduação. suporte@oimeliga.combr

Artigos relacionados

Close