NOTÍCIASSERVIÇOS
Trend

Caso Daniel: Edison Brittes usou celular de um homem assassinado em 2016, para dar os pêsames a mãe de jogador

O promotor do caso revelou que o suspeito usou um telefone que pertenceu a um outro homem assassinado em 2016 e na mesma cidade que morreu Daniel.

A cada dia que as investigações evoluem, novos elementos têm surgido que colocam em xeque, inclusive, o passado de Edison Brittes e suas relações pessoais. Recentemente, as investigações apontaram que uma moto apreendida na casa do suspeito pertencia a um traficante. A moto em questão aparece em algumas fotos de Edison em redes sociais e que vieram à tona agora. Outro fato que surgiu é que Juninho Riqueza ligou para familiares de Daniel Corrêa, jogador do São Paulo emprestado ao São Bento, de um celular que já pertenceu a um homem assassinado em 2016.

Conforme investigação, o telefone móvel que foi usado por Edison para ligar para pessoas próximas do jogador e desejar-lhes os pêsames seria de um morto.

O homem, dono do celular, foi assassinado na mesma cidade que Daniel, em São José dos Pinhais e o promotor do caso, responsável pela divulgação da informação, chegou a questionar à imprensa: ‘Quem anda com um celular de um morto?’, lançou a dúvida o promotor de Justiça do Ministério Público do Paraná (MP-PR), João Milton Sales.

O delegado do caso, Amadeu Trevisan, já havia dito que tanto Edison, quanto Allana e Cristiana, seriam indiciados por homicídio qualificado e coação de testemunhas. Com a apreensão da moto em nome de um traficante, a descoberta do celular em questão e as provas coletadas, a promotoria ainda pedirá novas investigações sobre receptação e porte ilegal de armas. O advogado de defesa disse que só fala sobre a morte de Daniel.

Novos suspeitos

Polícia ouviu dois dos jovens que teriam participado do crime junto com Juninho.

Igor King, de 19 anos, e David Willian da Silva, de 18 anos, já estão presos temporariamente e deram suas versões para o crime de Daniel. Ambos revelaram que não desceram do carro, no momento em que o suspeito matou e abandonou o corpo e que choraram copiosamente dentro do veículo.

Adicionalmente, David ainda disse que Juninho não queria matar o jogador, apenas humilhá-lo e deixá-lo nu em uma avenida da cidade de São José dos Pinhais. Entretanto, quando o assassino confesso viu algo no celular (o jovem não soube precisar o que foi visto e se o celular era dele ou de Daniel), resolveu matá-lo. No fatídico momento, Edison, Igor, David e também Eduardo (primo de Cristiana que também está preso), já estavam dentro do carro.

O corpo de Daniel foi encontrado em um matagal da Região Metropolitana de Curitiba com marcas de tortura.

TV MRNews

Tags

R. HUGO

Especializado em jornalismo colaborativo pela FTP em nível de pós-graduação. suporte@oimeliga.combr

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close