NOTÍCIAS

ESPOSA DE HOMEM ESPANCADO ATÉ A MORTE NO CARREFOUR SE DESESPERA EM VELÓRIO E CLAMA POR JUSTIÇA

O Caso que revoltou o BRasil teve um novo episódio neste sábado (21). É que João Alberto foi enterrado na tarde de hoje e os parentes mostraram-se revoltados com a situação. O caso de morte por espancamento de João Alberto Silveira Freitas ocorrido na última quinta-feira (19), em uma unidade do Carrefour, em Porto Alegre, tem gerado grande repercussão e revolta em milhares de brasileiros.

Não perca nada dos realitys jogos e novelas, no GOOGLE NEWS CLICANDO AQUI - MRNEWS
 

Neste sábado (21), o corpo de Beto, como era conhecido, está sendo velado no Cemitério São João, situado na Zona Norte de Porto Alegre. O sepultamento está previsto para ocorrer às 11h30.

Muito abalada com o caso, a esposa dele não quis conversar muito com a imprensa, mas pelo pouco que falou, clamou a Justiça seja feita no veredicto do crime.

João Alberto, de 40 anos, foi assassinado por dois seguranças do supermercado Carrefour após desentendimento com uma funcionária. A vítima foi levada para o estacionamento da unidade, sendo alvo de inúmeros golpes. Segundo a perícia inicial, ele foi agredido por cerca de cinco minutos, e a causa da morte apontada foi asfixia.

Acionada, uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi até o local, mas João Alberto já estava sem sinais vitais. Os dois homens foram presos em flagrante, e possivelmente responderão por homicídio triplamente qualificado.

Um dos seguranças envolvido no crime era policial militar temporário, e não poderia estar executando o “bico”. Segundo a defesa, ele estava em sua primeira noite de trabalho, e reagiu após ter sido agredido pela vítima.

O caso segue sendo investigado pelas autoridades, que fazem uma varredura no sistema de câmeras de segurança do local para conseguir novas provas que possam ajudar na elucidação do crime.

 

Esposa de homem negro espancado no Carrefour viu a morte à sua frente e desesperada revela: ‘Ele pediu ajuda’

Milena Borges Alves, 43 anos, esposa de João Alberto Silveira Freitas, 40, morto por seguranças do Carrefour às vésperas do Dia da Consciência Negra, concedeu uma entrevista ao Gaúcha Atualidade na manhã desta sexta-feira (20) relatando os momentos de pânico que vivenciou na noite de ontem.

“Eu estava pagando no caixa. Ele desceu na minha frente. Quando cheguei, ele já estava imobilizado. Ele pediu ajuda, quando fui, os seguranças me empurraram”, recorda a esposa. “Ele fez um gesto com a mão. Ele era muito brincalhão, estava sempre brincando”, prossegue.

Milena viu o marido ser espancado por dois seguranças brancos enquanto fazia compras em uma das unidades do supermercado localizado na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Após ser expulso do estabelecimento, Freitas continuou a ser agredido do lado de fora e, apesar de desorientado e ensanguentado, recebe sucessivos golpes. Uma ambulância do Samu foi acionada, mas o óbito foi confirmado no local.

O delegado Leandro Bodoia, plantonista da Delegacia de Homicídios, explica que uma funcionária do caixa do supermercado diz ter sido ameaçada de agressão por Freitas, acionando os seguranças do local. Na sequência, a vítima e os agentes começam um bate-boca, que prossegue para as agressões do lado de fora do estabelecimento.

Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva foram presos em flagrante. Um deles, policial militar temporário, foi encaminhado para o presídio do batalhão. O segundo está sob custódia da Polícia Civil. O Carrefour rescindiu o contrato com a empresa terceirizada de vigilância sanitária envolvida no crime.

TV MRNews

MR News

Especializado em jornalismo colaborativo pela FTP em nível de pós-graduação. [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar